Impact of respiratory therapy in vital capacity and functionality of patients undergoing abdominal surgery

Einstein (Sao Paulo). Apr-Jun 2016;14(2):202-7. doi: 10.1590/S1679-45082016AO3398.
[Article in English, Portuguese]

Abstract

Objective: To evaluate the vital capacity after two chest therapy techniques in patients undergoing abdominal surgical.

Methods: A prospective randomized study carried out with patients admitted to the Intensive Care Unit after abdominal surgery. We checked vital capacity, muscular strength using the Medical Research Council scale, and functionality with the Functional Independence Measure the first time the patient was breathing spontaneously (D1), and also upon discharge from the Intensive Care Unit (Ddis). Between D1 and Ddis, respiratory therapy was carried out according to the randomized group.

Results: We included 38 patients, 20 randomized to Positive Intermittent Pressure Group and 18 to Volumetric Incentive Spirometer Group. There was no significant gain related to vital capacity of D1 and Ddis of Positive Intermittent Pressure Group (mean 1,410mL±547.2 versus 1,809mL±692.3; p=0.979), as in the Volumetric Incentive Spirometer Group (1,408.3mL±419.1 versus 1,838.8mL±621.3; p=0.889). We observed a significant improvement in vital capacity in D1 (p<0.001) and Ddis (p<0.001) and in the Functional Independence Measure (p<0.001) after respiratory therapy. The vital capacity improvement was not associated with gain of muscle strength.

Conclusion: Chest therapy, with positive pressure and volumetric incentive spirometer, was effective in improving vital capacity of patients submitted to abdominal surgery.

Objetivo: Avaliar a capacidade vital comparando duas técnicas de fisioterapia respiratória em pacientes submetidos à cirurgia abdominal.

Métodos: Estudo prospectivo e randomizado realizado com pacientes admitidos em Unidade de Terapia Intensiva após cirurgia abdominal. Verificamos a capacidade vital, a força muscular por meio da escala do Medical Research Council e funcionalidade pela Medida de Independência Funcional no primeiro momento em que o paciente encontrava-se em respiração espontânea (D1) e na alta da Unidade de Terapia Intensiva (Dalta). Entre D1 e Dalta, foi realizada a fisioterapia respiratória, conforme o grupo randomizado.

Resultados: Foram incluídos 38 pacientes, sendo 20 randomizados para Grupo Pressão Positiva Intermitente e 18 para o Grupo Incentivador Inspiratório a Volume. A capacidade vital entre o D1 e Dalta do Grupo Pressão Positiva Intermitente não teve ganho significativo (média de 1.410mL±547,2 versus 1.809mL±692,3; p=0,979), assim como no Grupo Incentivador Inspiratório a Volume (1.408,3mL±419,1 versus 1.838,8mL±621,3; p=0,889). Houve melhora significativa da capacidade vital no D1 (p<0,001) e na Dalta (p<0,001) e da Medida de Independência Funcional (p<0,001) após a fisioterapia respiratória. A melhora da capacidade vital não apresentou relação com o ganho da força muscular.

Conclusão: A fisioterapia respiratória, por meio de pressão positiva ou de incentivador inspiratório a volume, foi eficaz na melhora da capacidade vital em pacientes submetidos à cirurgia abdominal.

Objetivo: Avaliar a capacidade vital comparando duas técnicas de fisioterapia respiratória em pacientes submetidos à cirurgia abdominal.

Métodos: Estudo prospectivo e randomizado realizado com pacientes admitidos em Unidade de Terapia Intensiva após cirurgia abdominal. Verificamos a capacidade vital, a força muscular por meio da escala do Medical Research Council e funcionalidade pela Medida de Independência Funcional no primeiro momento em que o paciente encontrava-se em respiração espontânea (D1) e na alta da Unidade de Terapia Intensiva (Dalta). Entre D1 e Dalta, foi realizada a fisioterapia respiratória, conforme o grupo randomizado.

Resultados: Foram incluídos 38 pacientes, sendo 20 randomizados para Grupo Pressão Positiva Intermitente e 18 para o Grupo Incentivador Inspiratório a Volume. A capacidade vital entre o D1 e Dalta do Grupo Pressão Positiva Intermitente não teve ganho significativo (média de 1.410mL±547,2 versus 1.809mL±692,3; p=0,979), assim como no Grupo Incentivador Inspiratório a Volume (1.408,3mL±419,1 versus 1.838,8mL±621,3; p=0,889). Houve melhora significativa da capacidade vital no D1 (p<0,001) e na Dalta (p<0,001) e da Medida de Independência Funcional (p<0,001) após a fisioterapia respiratória. A melhora da capacidade vital não apresentou relação com o ganho da força muscular.

Conclusão: A fisioterapia respiratória, por meio de pressão positiva ou de incentivador inspiratório a volume, foi eficaz na melhora da capacidade vital em pacientes submetidos à cirurgia abdominal.

Publication types

  • Randomized Controlled Trial

MeSH terms

  • Abdominal Injuries / rehabilitation
  • Abdominal Injuries / surgery*
  • Adult
  • Aged
  • Female
  • Humans
  • Intermittent Positive-Pressure Ventilation / methods*
  • Male
  • Middle Aged
  • Muscle Strength / physiology
  • Postoperative Care / rehabilitation*
  • Prospective Studies
  • Respiratory Muscles / physiology*
  • Spirometry / methods*
  • Treatment Outcome
  • Vital Capacity / physiology*